Cabelos- Progressivas Mitos e Verdades

Oi meus amores tudo bem?

Vou falar uma coisa para vocês: faz mais ou menos uns três à quatro meses que eu to querendo lançar esse post, mas antes de vir conversar com vocês sobre um assunto tão sério pesquisei bastante. E então hoje vamos conhecer alguns mitos e verdades sobre as progressivas.

Atualmente 80% das brasileiras fazem algum tipo de progressiva e para esclarecer algumas dúvidas que eu mesma tinha, e que sei que deve ser a dúvida de vocês, resolvi conversar com um profissional.

O meu escolhido foi o Roger Shine. O Roger já fez cabelos de famosas como a Adriane Galisteu e atualmente ele tem um salão em Bauru/SP. Conheci o Roger através do grupo Cabelo & Prosa no facebook. Curto muito o trabalho dele e por isso o escolhi para tirar nossas dúvidas.



Expliquei à ele sobre o post que eu queria fazer e ele topou logo de cara, as repostas que vocês vão ver a seguir foram todas dele, eu só escrevi. São apenas três perguntas, mas tenho certeza que são as maiores dúvidas de vocês, pois eram minhas também. Bora lá desvendar alguns mitos das progressivas:

Eu- A pergunta que todas a mulheres fazem: Roger existe progressiva sem formol?
Roger-  Na minha opinião particular existe sim. Se voltarmos desde o inicio da escova progressiva, que virou uma febre no Brasil em meados de 2004. Elas eram feitas de formol, queratina mais alguns produtos defrisantes essa imperou até mais ou menos 2010, 99% delas tinham o formol como principio ativo redutor de volume.  Muitos cabeleireiros e empresas abusavam da quantidade desse ativo, por isso a EP se tornou muito tóxica, ardia muito, fazia feridas no couro cabeludo além de exalar muitos gases nocivos. Na sequencia quando começou a surgir o tabu do formol fazer mal à saúde, muitas clientes e profissionais passando mal por conta do formol, foi lançada uma escova de Glutarol. O glutarol nada mais é que: um derivado do formol, porém ele acabava sendo mais nocivo que o formol em si.Tanto que a onda do Glutarol durou pouco. Até então poderia até não ser formol, porém eram derivados dele, então se era derivado não poderia dizer que não existia formol. Foi quando iniciou-se uma busca muito grande quando a ANVISA baixou uma liminar proibindo o uso de formol na composição de Escovas Redutoras de volume, então iniciou-se uma busca muito grande para encontrar outros ativos que pudessem substitui-lo. Foi ai que apareceu a primeira solução: Escovas de Carbocisteína.
Carbocisteína na realidade é um aminoácido que não alisa, porém era feita a junção de carbocisteína com cistamina, ou seja essa fusão deixava a escova mais ácida e conseguia a redução de volume. Infelizmente essa fusão gerava incompatibilidades à fibra por exemplo: as escovas de carbocisteina, tem até um vídeo rolando de uma moça que comprou uma dessas escovas na farmácia, de uma grande empresa, porém ela aplicou no cabelo e ele despencou inteiro. Porque despencou? Porque ela tinha alisamento nos fios. Esse é um dos problemas da escova de carbocisteína do mercado: elas tornam o fio incompatível. Ele fica incompatível com a maioria dos relaxamentos, com luzes, reflexos, ombré hairs e dependendo da coloração,  se ela for muito clara o fio também fica incompatível. Por isso resulta em quebra e trás danos a fibra capilar. Essa escova trazia muitos danos à fibra capilar.
Logo na sequência surgiram as Escovas de Ácido Glioxilico, a empresa que deu o primeiro pontapé nessas escovas foi a INOAR. O ph dessa escova era bem ácido, porém não gerava incompatibilidade, a única incompatibilidade é com chumbo e alguns derivados de metais, um exemplo é o Henne, que atualmente é pouco usado. Existem algumas reposrtagens que dizem que, dependendo da tempetura que se trabalha a na hora de fazer a escova esse àcido liberaria moléculas de formol. Porém vale ressaltar que isso não é comprovado cientificamente, a ANVISA esta à mais ou menos 2 anos tentando confirmar que isso seja verdade.Só que isso não for confirmado até hoje. Então se não é confirmado que as Escovas de Ácido Glioxilico liberam formol podemos dizer quem SIM existem escovas progressivas sem formol.
São elas: Escovas de Carboxisteína, Oxitaminas e Escovas de Ácido Glioxilico que são muito empregadas hoje em dia.
Existem também outros tipos de ácido usados em progressivas porém menos comuns. 

 
Imagem meramente Ilustrativa


Eu: Nós mulheres muito ouvimos falar que Escova Progressiva hidrata o cabelo. Isso é verdade?
Roger: A escova progressiva não foi criada para tratar o cabelo, ela foi criada para reduzir volume. O que trata um cabelo são: hidratações que repõe água a fibra e nutrições que devolvem proteínas e aminoácidos perdidos à fibra. Então não podemos confundir, tem muitas mulheres que dizem que o cabelo esta horrível então vai fazer uma escova progressiva. Não. Se você for fazer uma progressiva, você vai reduzir volume. O que trata o fio são os tratamentos. O que as pessoas confundem muito é que quando se faz essas escovas progressivas o seu cabelo fica mais maleável e brilhante. Porque isso acontece: todas essas escovas trabalham com a prancha que sela a cutícula capilar. Quando a cutícula capilar é selada além de dar uma nova forma à esse fio, geralmente uma forma lisa, ele doa brilho porque as cutículas foram seladas e ele acaba ficando mais maleável pelo fato dos fios terem sido alinhados. Por isso quando você faz uma escova progressiva o cabelo fica brilhante devido as cutículas terem sido seladas e ele fica mais maleável devido ao alinhamento dos fios.
A maioria dessas escovas possuem queratina na composição, essa queratina é um aminoácido importantíssimo para o fio. Os fios já possuem queratina porém vão perdendo devido às lavagens e agressões externas. Então você esta selando as cutículas, alinhando os fios e doando queratina o cabelo fica muito mais brilhante. Por isso as mulheres pensam que progressiva trata o fio.

Imagem meramente Ilustrativa
  Eu: Quando uma mulher faz progressivas, ela pode fazer outros procedimentos químicos?
Roger: Vamos voltar lá no inicio: as escovas de formol ou derivados de formol não possuíam incompatibilidade, então você podia sim colorir, descolorir, fazer luzes, fazer relaxamentos e fazer a progressiva, não tinha nenhum problema. Com as novas escovas sem formol, eles se tornaram incompatíveis sim a relaxamentos, a descolorações, a colorações com oxidantes muito altos etc. Por isso vemos tantos relatos de quebra, quedas e até falhas no couro cabeludo.
Algumas empresas abusam da quantidade de ácido permitido, por exemplo o permitido é X tem empresas dobra essa quantidade e comercializa como Escova Semi Definitiva, o que ocorre:  o excesso do ácido nessas escovas tendem a deixar a fibra capilar muito fina. Se essa fibra fica muito fina, quando você vai trabalhar por exemplo uma descoloração essa fibra já esta afinada, então pode trazer danos sim. Por isso os profissionais tem que estar muito atentos aos produtos usados, verificar se ele tem registro, pesquisar a procedência, verificar os resultados de outro usuários. Porque existem produtos e produtos. Teoricamente as escovas de ácido glioxilico, escova sem formol,  elas podem sim passar por outros procedimentos químicos no mesmo dia, só que depende muito de quem fábrica. Se é um fabricante que abusa muito das concentrações permitidas desse ácido elas podem sim se danificar e acabar causando a incompatibilidade dos fios.


Para quem quiser acompanhar um pouco mais, o Roger como eu falei  tem um grupo no facebook o  Cabelo & Prosa.

Quero agradecer muito ao Roger que foi tão querido e atencioso comigo. Um beijão para você.

E ai meninas vocês fazem progressiva?

Fazem outras quimicas? Já tiveram algum problema com isso?

Espero que vocês tenham gostado

Me contem tudo nos comentários
*imagens do google

Bah Cardoso
© Bah Cardoso - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento por: Colorindo Design - Tecnologia do Blogger.